Instalação

Primeiramente, para utilizar o novo sistema SCP é preciso criar alguma empresa para o ano vigente.
Criada a empresa, agora vá em “Tabelas” -> “Tabela de Empresas” e selecione a opção 3. Importar empresas. Com isso, o sistema irá importar automaticamente as pastas de empresas que ele encontrar no SCP do ano anterior que foram cadastradas como o ano atual.
Clique aqui para ver um tutorial sobre como ativar a licença do sistema adquirida.
* Lembre que esta ativação deverá ser feita após cada pagamento da mensalidade do sistema
Caso o sistema esteja instalado em um servidor e você deseja acessar a base de dados dele a partir do seu computador. Primeiramente, instale o sistema em seu computador e siga as instruções clicando aqui.

Tabelas Comuns do Sistema

Siga a sequência: vá na opção “Tabelas” -> “Tabela de Municípios” -> “Incluir Novos Registros”

A partir daí você deve incluir o Código do IBGE do Município, seu nome correto, CEP e sua Sigla.

Para saber o código do IBGE você pode ir nesse Link:

http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritorial/area.shtm

Para saber o CEP do Município clique no Link:

http://www.buscacep.correios.com.br/servicos/dnec/menuAction.do?Metodo=menuLogradouro#

Escolha o Estado e digite o nome do município. Depois clique no botão + para ver o CEP.

A utilização do calendário gerado pelo sistema é importante para a definição automática de feriados e fins de semanas como datas não úteis, o que facilitando o serviço.
Caso deseje utilizar o calendário do sistema, são necessários alguns ajustes.
Primeiramente, é necessário gerar o calendário, na opção Balancetes -> Tabelas Auxiliares -> Calendário Anual -> 4.Gera Calendário
Esta opção irá gerar um calendário com as datas de início e fim informadas.
Com o calendário gerado, é importante ver se ele está sendo realmente utilizado. Verifique os Parâmetros da empresa e observe o campo “Usa Calendário?”. Se “SIM”, o calendário gerado pelo sistema estará sendo utilizado.

Backup, Criar e Restaurar

Voltar para o topo

Orçamento

Para ajustes nas informações sobre a Lei Orçamentária Anual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias, basta seguir o caminho no sistema: Orçamento -> Informações Básicas do Orçamento.

Nessa janela você poderá alterar o número da lei, a data de publicação, o ano de vigência…

Plano de Contas – PCASP

Recomendamos não apagar as contas que já vierem cadastradas no plano, mesmo que você não utilize. Nem alterar sua natureza, pois o novo plano de contas 2014, é aceito pelo Tribunal de Contas do Estado no formato apresentado pelo sistema.

Caso seja necessário, você pode criar novas contas, “filhas” das contas já existentes:

Em Orçamento -> Elenco de Contas(Plano) -> 1.Incluir novos.
Também na opção 3.Consulta Geral você pode teclar “D” de Digitar para exibir a janela de inserção de nova conta

Recomendamos não apagar as contas que já vierem cadastradas no plano, mesmo que você não utilize. Nem alterar sua natureza, pois o novo plano de contas 2014, é aceito pelo Tribunal de Contas do Estado no formato apresentado pelo sistema.
Se você criou alguma conta, você também pode exclui-la: deixe o cursor em cima da conta que deseja apagar e tecle “E” de Excluir.
Algumas vezes as contas VPD não aparecem adequadamente no campo em liquidação da despesa. Basta você selecionar no menu do sistema SCP14H: Orçamento -> Elenco de Contas (plano) -> 4. Analisar Estrutura do Plano de Contas, que dessa forma o sistema irá relacionar as contas e agora você visualizará as contas VPD.
Há uma tabela de Sub Contas em Balancetes -> Tabelas auxiliares -> Tabela de Sub-Contas
Nela estão listadas as contas que estarão relacionadas no ” Incorporável ” dos empenhos.

Pode-se notar que no aviso da atualização do mês estão listadas contas do antigo plano de contas relacionadas a bens imóveis, por exemplo.

Existem duas soluções:

#1.Basta você ir no empenho referido e alterar o campo ” Incorporável ” para 000, tirando assim o relacionamento deste empenho com a Sub-Conta.

OU

#2. Você pode ajustar estas contas dessa tabela de Sub-Contas para as contas do novo Plano de contas;

Se for necessário cancelar algum valor que resta a pagar de um RAP processado no exercício, a conta a ser utilizada como contrapartida estará no grupo 4 (grupo de crédito), mais precisamente, dentro da conta 46401 – Ganhos com desincorporação de passivos – consolidação. Sendo que o ideal, é criar uma conta analítica nela para “cancelamento de restos a pagar processados” e dentro desta criar outras contas para cada fundo. 46401 01, 46401 02 e assim por diante.
Nunca crie uma conta de grau 5 dentro da conta 464, por exemplo uma conta 46402, pois o SAGRES não irá reconhecer esta conta.

Balanço Patrimonial

Voltar para o topo

Relatórios

No Sistema de Contabilidade Pública, SCP14H, é possível gerar vários relatórios com as assinaturas de agentes políticos já embutidas como imagens.
Isso torna-se possível com imagens em “.jpg” (o mesmo que jpeg) de assinaturas dos agentes político.
Cada agente político que assinar relatórios, deve possuir um arquivo de imagem no formato “.jpg” com sua assinatura.
O arquivo de imagem deve possuir o nome exato do agente cadastrado e as separações do nome deve ser preenchida com o traço baixo, underscore, ( _ ) segundo o exemplo:
Nome do Agente: Carlos Alberto
Nome do arquivo de assinatura: CARLOS_ALBERTO.jpg
As imagens devem estar na pasta da empresa, localizada em simplesinfo/SCP14H/DBXX ( XX é o ano do exercício ).
Para casos onde a assinatura não estiver aparecendo, mesmo seguindo estas instruções, a solução é ir em Utilitários/Configurações -> Brasão/assinatura da empresa.
E ativar a variável de assinatura, no campo “Assinatura rodapé”
Por exigência do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE), a Prestação de Contas Online a partir de Janeiro de 2016 estará exigindo Certificado Digital dos contadores e gestores municipais para serem enviados ao site do TCE.

O Certificado Digital é um Documento Eletrônico que contém dados sobre a pessoa ou empresa que o utiliza para comprovação mútua de autenticidade. Funciona como uma carteira de identidade eletrônica, permitindo que uma transação realizada via Internet torne-se perfeitamente segura, já que as partes envolvidas deverão apresentar mutuamente suas credenciais, comprovando as suas identidades.

Através dela o usuário tem a opção de utilizar a assinatura digital, permitindo a troca de documentos, com autenticação, sigilo e integridade de conteúdo.

Um serviço que coloca qualidade e busca evitar fraudes e falsificações.

O certificado digital enviado para Prestação de Contas poderá ser do tipo A1 ou A3:

Os certificados do tipo A são os certificados digitais utilizados para a assinatura de documentos,transações eletrônicas, etc.

Os certificados do tipo A1 duram apenas 1 ano e são somente em formato de arquivo. Já os do tipo A3 podem ter até 5 anos de duração e são em formato de dispositivo hardware(Token ou cartão).

 

Onde conseguir o Certificado Digital?

 

SERASA – Tel (86) 3221-1538;

SESCON – Tel (86) 3221-9557;

No Correios também é possível adquirir o Certificado.

Recomenda-se o tipo A3 pois ele é em formato de hardware, onde você tem mais facilidade de transporte de um computador para outro. Além de durar mais tempo.

O tipo A1 pode ser adquirido pelo site:

serasa.certificadodigital.com.br/p/e-cpf/

 

Quem deve informar o Certificado Digital?

 

Prefeitos e Contadores. Cada um deve possuir o seu Certificado.

 

Câmaras também devem possuir o Certificado Digital?

 

Sim, os Presidentes de Câmaras também devem possuir o certificado Digital

 

Para os contadores, deve informar o Certificado Digital do CPF ou CNPJ?

 

O Certificado Digital do CNPJ pode ser informado para casos de empresas de contabilidade normalmente. Se não houver empresa, então o Certificado poderá ser do CPF do contador.

Mais informações, entre em contato com o TCE-PI – Tel. (86) 3215 3800 ou (86) 3215-3984

Relatórios do Orçamento

A Versão mais recente do SCP está ajustada para unir os relatórios pdf em um único arquivo.
Para utilizar desta função:

1. Atualize o sistema de contabilidade;

2. Gere os PDFs do orçamento que você desejar;

3. O SCP irá salvar estes PDFs numa pasta específica, a pasta Pdf_00_Loa da prefeitura ou câmara da seguinte forma:
Na pasta SimplesInfo / SCP15H / DB201 / Pasta da prefeitura / Pdf_00_Loa .
Nela estarão todos os PDFs separados, que você gerou do orçamento;

4. Nesta mesma pasta, você pode inserir qualquer arquivo PDF que deseja unir, por exemplo o PDF da LOA;

5. Neste arquivo PDF que você inserir na pasta, você deve acrescentar ao início do nome deste arquivo os dizeres “PM_NOME_DA_PREFEITURA_LOA_2015_ANEXO”
Como estão os outros relatórios já gerados pelo sistema nesta mesma pasta Pdf_00_Loa

6. Após deixar nesta pasta Pdf_00_Loa somente os PDFs que você desejar, vá no sistema de contabilidade e escolha a opção “Relatórios” nos ícones no topo do sistema e escolha a opção 1.Relatórios do Orçamento Anual -> 99.Gerar PDF com Todos os Relatórios do Balancete.
Outro caminho é por Orçamento -> Relatórios e anexos do orçamento -> 99.Gerar PDF com todos os Relatórios do Orçamento.

7. Por fim, o sistema irá gerar um arquivo PDF na pasta Pdf_00_Loa com todos os PDFs que estão nela. O nome do arquivo terá os dizeres “Orçamento_Completo” nele.

Caso o arquivo PDF do orçamento ultrapasse 10mb, limite máximo exigido pelo TCE. Você possui duas opções para diminuir o tamanho deste arquivo PDF:
Opção 1. Simplesmente abra este PDF com qualquer programa leitor e escolha “salvar como…”; Modifique ao menos uma letra no nome do arquivo e confirme “Salvar”.
O PDF terá seu arquivo diminuído de tamanho, mantendo o mesmo conteúdo.

Opção 2. Entre no site:
http://smallpdf.com/pt/compressor-de-pdf
E como o site indica, você pode arrastar o PDF até o quadro vermelho ou clicar em “Escolher arquivo” e selecionar o PDF que você deseja diminuir o tamanho.
O site irá lhe retornar um link com os dizeres “Baixe Arquivo Agora” onde o PDF estará com o tamanho menor sem alterar seu conteúdo.

RREO – Relatórios Resumidos da Execução Orçamentária

No Anexo 8, na área onde diz: “Outras informações para Controle”, existem campos como “42-Despesas custeadas com operações de crédito”.
As informações que irão para estes campos estão acessíveis a partir do cadastro de fontes de recurso.
Vá até orçamento -> Fontes de Recurso -> Alterar/Manutenção. Lá será possível visualizar todas as fontes de recurso, no campo “Tipo” você pode selecionar o código de receita de aplicação condizente com o MDE.
Selecione uma fonte de recurso e tecle “M” de Modificar, para poder acessar a seção de “Tipo” e lá dizer com qual código do MDE ela se relaciona de acordo com a ajuda:
00 – Receitas sem vinculação
10 – MDE Aplicação vinculada ao FUNDEB
11 – MDE aplicação financeira dos recursos do FNDE
12 – MDE Aplicação financeira do recurso de convênios
19 – MDE Aplicação de outros recursos vinculados ao ensino
20 – MDE Receitas de contribuição do salário educação
21 – MDE Receitas de Operação de crédito
22 – MDE Outras receitas para financiamento de Ensino
30 – Receita de Alienação de ativos
70 – RPPS Receitas com regime próprio de previdência

RGF – Relatórios de Gestão Fiscal

Caso o relatório de Despesas com Pessoal esteja informando valores muito inferiores, é possível que ele ainda não esteja trazendo os valores do exercício anterior.
Isso pode ser resolvido da seguinte forma:
Vá em “Orçamento” -> NAT Natureza da Despesa -> 3. Importa a despesa do exercício anterior;
Depois escolha a opção 4. Lançamento Automático do desdobramento da despesa;
Por fim, retorne às primeiras opções do menu do topo do sistema e procure por “Balanço Anual” -> Atualiza Balanço Geral. Prossiga com a ação.
Agora, quando você gerar o relatório de Despesas com Pessoal ele irá possuir os valores do exercício anterior somados ao exercício atual.

SIOPS

Para transferir os dados cadastrados em um bimestre para o outro nos programas do SIOPS:
Selecione o arquivo gerado em um bimestre, o primeiro bimestre por exemplo, chamado Mxxxx_2015_PrimeiroBimestre.OPS copiar e renomear a extensão dele mudando de .OPS para .IMP
Agora vá para o bimestre que desejar do sistema do SIOPS e na opção do topo “Importar arquivo OPS” com uma seta vermelha para baixo clique no botão para selecionar um arquivo, o botão com um ícone de uma pasta amarela, e selecione o arquivo .IMP que foi modificado.

SICONFI

Primeiramente escolha “Orçamento” -> “Elenco de Contas (Plano)” -> “5. Importar Plano de Contas (PCASP)”
Esta opção não irá apagar nem substituir o plano de contas que você já vem trabalhando.

Ela irá incluir mais informações ao seu plano de contas.

Depois desta etapa, você pode gerar os valores nas planilhas do SICONFI de acordo com os tipos, se RREO ou se RGF.

Assim, em “Relatórios de Balancetes” -> “Relatórios Resumido da Execução Orçamentária” -> “15. Planilha SICONFI RREO Bimestral” você digita o código do IBGE, ou pode pesquisar teclando F8 e procurando na tabela exibida; Depois digite o título da unidade responsável pela emissão do relatório do SICONFI, em todo caso você pode deixar “Setor de Contabilidade” como título.

Ao teclar enter será exibida uma janela para você selecionar a planilha do SICONFI RREO onde estiver no seu computador. Ao escolhe-la o sistema exibirá mensagens para você confirmar.

O mesmo funciona para o SICONFI RGF, bastando ir apenas na opção dos “relatórios de balancetes”-> “Relatórios de Gestão Fiscal” -> “8. Planilha SICONFI RGF”.

O processo de preenchimento da planilha feito pelo sistema não apaga nem modifica a planilha que você baixou do site do SICONFI. Ele irá criar uma cópia desta planilha e preencherá esta cópia. A mesma se encontrará na pasta: SimplesInfoSCP15HPDF

Não.
O processo de preenchimento da planilha feito pelo sistema não apaga nem modifica a planilha que você baixou do site do SICONFI. Ele irá criar uma cópia desta planilha e preencherá esta cópia. A mesma se encontrará na pasta: SimplesInfoSCP15HPDF
Voltar para o topo

Encerramento do Exercício

1.1 Finalizar o lançamento de empenhos; anular empenhos que não irão p/ ano seguinte

1.2 Finalizar o lançamento de liquidações; fazer restos a pagar processados

1.3 Finalizar o lançamento dos pagamentos;

1.4 Finalizar o lançamento dos repasses financeiros;

1.5 Finalizar o lançamento de receitas;

1.6 Análise dos empenhos não processados da necessidade ou não de cancelamento;

1.7 Desbloquear ou cancelar todas as reservas orçamentárias, se necessário;

1.8 Finalizar a conciliação bancária;

1.9 Lançamento de prestação de contas dos convênios e subvenções – efetuar a formalização do pedido de prorrogação, se necessário;

1.10 Adiantamentos concedidos – Prestação de conta.

2.1 Ajuste do Controle de Disponibilidades (fonte 0 para fonte 9); Automático

2.2 Encerramento do Acompanhamento de Restos a Pagar dos Exercícios Anteriores; Aut.

2.3 Inscrição dos novos restos a pagar (Os IPC’s divergem na inscrição dos mesmos no M13 ou M14);

2.4 Atualização de precatórios;

2.5 Atualização de dívidas ativas e passivas (inscrição, baixa, atualização);

2.6 Atualização no grupo compensado dos controles de adiantamentos;

2.7 Atualização no grupo compensado dos controles de convênios;

2.8 Atualização no grupo compensado dos controles de contratos;

2.9 Elaboração dos Anexos da Lei 4320/64 (Fechamento do balanço orçamentário).

3.1 Encerramento das contas dos grupos 3 e 4; Automático

3.2 Encerramento das contas dos grupos 5 e 6; Automático

3.3 Conferência da apuração do resultado do exercício; Automático

3.4 Encerramento das contas de controle orçamentário (que não levam saldo para o próximo exercício); Automático

3.5 Levantamento do Balanço Patrimonial.

4.1 Lançamentos da previsão inicial da receita;

4.2 Lançamento da Fixação da Despesa;

4.3 Lançamento do Cronograma Mensal de Desembolso da Despesa;

4.4 Lançamento do Cronograma Mensal de Desembolso do Repasse Financeiro;

4.5 Revisar os códigos de aplicação da Fixação da Despesa;

4.6 Revisar códigos e percentuais da Previsão da Receita;

4.7 Utilizar os 5% dos recursos recebidos do FUNDEB no primeiro trimestre de 2011, por meio de abertura de crédito especial (respaldado em superávit financeiro na fonte da FUNDEB – esses 5% são para os recursos livres de restos a pagar);

4.8 Reabrir os créditos especiais e extraordinários autorizados no ultimo quadrimestre 2010.

5.1 Análise da disponibilidade de caixa para saldar os compromissos (art. 42 LRF);

5.2 Verificação dos limites das despesas com pessoal;

5.3 Análise dos processos de licitação;

5.4 Análise dos processos de despesas (empenhos);

5.5 Saúde. Aplicação de no mínimo 15% da receita resultante de impostos;

5.6 Ensino. Aplicação de no mínimo 25% da receita resultante de impostos;

5.7 FUNDEB. Aplicação de no mínimo 60% dos recursos com valorização do magistério;

5.8 FUNDEB. Aplicação financeira de no mínimo de 95% de recursos no exercício atual;

5.9 Pessoal. Não ultrapassar o percentual de 54% no exercício e 6% no Legislativo;

5.10 Verificar se os encargos sociais – FGTS, INSS e PASEP foram devidamente pagos;

5.11 Verificar se as receitas de transferências constitucionais foram contabilizadas corretamente;

5.12 Revisão dos saldos de caução;

5.13 Revisão dos saldos da dívida fundada;

5.14 Revisão de saldos precatórios

5.15 Revisão dos saldos da dívida ativa (inscrição, baixa e atualização);

5.16 Revisão dos saldos de almoxarifado;

5.17 Revisão dos saldos do patrimônio (aquisição e baixa);

5.18 Revisão dos saldos grupo compensado dos contratos Saldos em vigor p.2013;

5.19 Revisão dos saldos do grupo compensado dos convênios – Saldos em vigor p.2013